Quinta-feira, 14 de Junho de 2007

AS HORTAS DO PATACÃO.

 
É um facto que as hortas desapareceram. Depois da horta das Figuras, desapareceu a horta do Apolo sita nas Pontes de Marchil, depois a horta dos Guerreirões (nove filhos), a horta do Calhica, a horta dos Morenos, o Augusto, o Florentino e o Fernando que fica em frente àquela, no outro lado da estrada, a horta do Manuel Catrunfa também de nove filhos e duas noras, a horta do Manuel Janeira, a horta do Manuel Rebola, a horta do António Gaita, do João Patuleia e do Joaquim Páscoa, do Quintas e por último a horta do Zeca Baptista da Euroaço.
 Nos Braciais desapareceu a horta do Joaquim Madeira que era o homem mais rico da região e era o único que tinha carro nesse tempo, uma arrastadeira Citroen e depois teve um carro grande, de marca Humber.   A filha, a Maria da Glória, andou lá na Escola Comercial connosco, no tempo do NESTLÉ.
 
As hortas desapareceram. Algumas estão no pousio, outras foram invadidas por estradas novas e outras por edifícios para habitação. Não sou muito entendido na matéria mas vejo que, duma maneira geral, as pessoas em Portugal são contra o cimento armado e contra os edifícios muito altos. A mim essa paisagem não me agride. Já estive em New York quatro vezes e agrada-me até, ver o poderio daquelas bisarmas.
 
Mas esta transformação da periferia da cidade, alterou as suas condições de entrada. A cidade recebe-nos com dificuldades porque aquilo é um tráfego intenso e difícil. Eu penso que em termos de “DEFESA DA CIDADE DE FARO”, se as pessoas se transferiram para a periferia da cidade, os serviços também se deviam transferir para aí. Não sei se será legítimo dizer isso. O que eu gostava, era que a minha cidade se tornasse mais harmoniosa, que dispusesse de uma vida mais calma e sem atropelos, que oferecesse mais espaços de lazer e que tivesse a preocupação de proporcionar aos seus naturais ou àqueles que optaram por nela viver, uma qualidade de vida tal, donde    resultasse uma paixão duradoira entre a cidade e os que a utilizam.   
 
Mas penso que se cometeram erros graves. O aeroporto, por exemplo, está situado praticamente no centro e isso não se vê nas grandes cidades. O aeroporto de Gotemburgo está a 80 Kms, o aeroporto de S. Paulo idem, Paris idem e se calhar muitos outros. Ora o ruído dos aviões e o tráfego resultante das constantes entradas e saídas de passageiros, intensifica o tráfego citadino. O que poderia ter sido evitado. As cidades devem ter em atenção e consideração os seus habitantes. E para isso só terão de fazer uma coisa; proporcionar-lhe boas condições de habitabilidade.
Não sei se Faro dispõe de circuitos de manutenção, não sei se vai beneficiar do programa Pólis, não sei se a Câmara Municipal tem algum departamento especialmente direccionado para apoio ao cidadão, não sei em que medida as populações poderão participar nos destinos da cidade, não sei se há vontade e disponibilidade para isso de parte das populações, porque no fundo, uma cidade será sempre aquilo que os beneficiários queiram que seja. 
 
Todavia não devemos ignorar o passado. Só se pode fazer coisas acertadas no futuro se tivermos conhecido bem o passado. Como diz o José Eduardo Agualusa, o passado é como o mar; está num desassossego permanente. E o passado das aldeias portuguesas não pode ser esquecido. As taberna se o jogo da malha fazem parte do património cultural de outros tempos. Vamos falar disso.

Por hoje me fico

João Brito de Sousa

publicado por SOUSINHA às 08:52
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Manel Piorna a 16 de Junho de 2007 às 16:15
A vida que foi vivida, será sempre um marco até à nossa extinção.
"Aquilo que o vosso pai está a fazer aqui neste pequeno jardim, é o que ele trouxe como recordação da sua pequenina aldeia!"
Jamais esquecerei estas palavras _eram minhas filhas criancinhas_ por meu primo à data comandante de avião dos TAP. João tu deves recordarte dele, pois ia por vezes também almoçar conosco à pensão São João na esquina da Avenida, onde o António servia e controlava tudo de cabeça. Recordaste? Bons tempos, boas recordações.
Embora nostrs sítios e nostros moldes, que reapareçam as do Patacão e todas as outras hortas deste país.
Um abraço do Manel
De SOUSINHA a 17 de Junho de 2007 às 13:23
VVA,

Boa malha ó Manel.
Com um abraçodo
JOÃO
De SOUSINHA a 17 de Junho de 2007 às 13:24
VVA,

Boa malha ó Manel.
Com um abraçodo
JOÃO

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. FICA SUSPENSO ATÉ NOVA OR...

. A HORTA BIOLÓGICA

. AS GEADAS

. A CARVOARIA DO PASSOS

. UTENSÍLIOS AGRÍCOLAS

. O TREINO DO SENHOR CARVAL...

. FARO DENTRO DAS MURALHAS

. UM BOM FIM DE SEMANA

. IGREJA DE S. PEDRO

. A RUA DOS BRACIAIS

. AO POETA MANUEL JOSÉ E F...

. A HORTA DOS BRITOS

. O MEU PRIMO SEBASTIÃO BRI...

. AS MOÇAS E OS MOÇOS DO M...

. POESIA DO DR. UVA

. ALÓ SANTA BÁRBAAR DE NEXE...

. FOMOS JOGAR À FALFOSA.

. ESTAMOS A VOLTAR.

. TUDO CHEGA AO FIM.... ATÉ...

. DA IMPRENSA

. VIVA A SOLEDADE URBANO.

. HOUVE FESTA NO SÍTIO DA A...

. AS HORTAS E A GRICULTURA...

. A FRASE DE HOJE

. PORQUE HOJE É DOMINGO

. BOM FIM DE SEMANA PARA TO...

. VELHO DO RESTELO

. CHEGUEI...

. EU NÃO POSSO ACREDITAR...

. A VIDA DIFÍCIL DOS MIÚDOS...

.arquivos

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.favoritos

. SANTA BÁRBARA DE NEXE

blogs SAPO

.subscrever feeds