Quinta-feira, 14 de Junho de 2007

COMENTÁRIO COM DIREITO A POST...

COM UM MUITO OBRIGADO AO "SONHADOR  DE ALPENDRE".

 

           Comentário do "contributor"  Sonhador de Alpendre  ao texto "UM GRANDE DOCUMENTO HUMANO",  título que dei a uma comentário do ARNALDO SILVA.

 

 

 

Comentário do  "SONHADOR."

 

"Deixei-me embalar pos esta sua curta estória, saudosamente deliciosa. Carissimo, você tem um talento especial para este tipo de narrativa. De facto fiquei completamete absorto na leitura deste pequeno conto. E venha de lá o João Cuco e as suas cabeçadas.... sonhos respeitosos Ps: Não deixei de ficar comovido com o "miúdo" que de pasteleira em punho se "amandava" ao comboio em plena madrugada, regressando já noite dentro a casa. Vida dificil a sua e a de todos os "miúdos" desse tempo.."

 

MEU COMENTÁRIO:  Meu caro sonhador; este espaço também é seu. Apareça sempre e aceite um abraço do

 

João Brito Sousa 

 

publicado por SOUSINHA às 11:28
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De arnaldo silva a 15 de Junho de 2007 às 01:27
A propósito da vida difícil dos "miúdos" do meu tempo, fui visitado pela evocação de um período da minha vida, situado ali por volta dos dez aos onze anos da minha existência, que deixou retratado, em pinceladas de um bom óleo, como era crua e madrasta a vida dos putos daqueles tempos.

Acabado de fazer a quarta classe na Escola Primária de Tavira, cidade onde aboletava em casa dos meus avós maternos, por ser orfão de mãe, vi-me transportado para passar a viver em casa do meu pai, num lugarejo entre Vila do Conde e a Póvoa do Varzim.

O sítio não era de todo inóspito porquanto a nossa casa, uma casa de ferroviário junto a uma passagem de nível, na estrada que levava a Famalicão e se cruzava com a linha ferroviária da Póvoa-Porto , estava circundada por umas três pequenas quintarolas e uma "bouça", isto é, umas terras incultas cobertas de matos e tojos.

Numa dessas quintarolas, vivia uma família de cinco elementos, um casal com dois filhos e uma tia que se dedicavam â exploração da terra, extraindo daí os proventos para a subsistência da família. Os filhos, um rondando a minha idade de então e o outro um anito mais jovem, tinham que "assistir" os pais na quotidiana e difícil labuta de fazer a terra transformar sementes inertes em agradáveis e imprescindíveis consumíveis.

Para poder levar a cabo a "assistência" de que os pais careciam, o filho mais velho mal frequentou a Escola Primário lá do sítio, não tendo conseguido obter o diploma da quarta classe. O mais novo seguia-lhe as pisadas e sabia muito mais de como ordenhar uma vaca ou de deitar milho ao rego do que juntar vogais e consoantes para fazer uma simples redacção.

Na ignorância própria daquela minha idade, o facto de ver diariamente dois putos envolvidos em tarefas de adultos não me provocava propriamente uma repulsa indignada, mas tão somente uma revolta por não puder dispor da companhia deles para as necessárias brincadeiras. Ignorante, egoísta mesmo, protestava e lamentava que eles não pudessem perfazer o número de elementos que desse devido corpo às magras equipas de futebol que, na estrada referida, sempre disputavam um renhido encontro com uma bola de trapos.

O que me repugnava verdadeiramente era ve-los desempenhar uma tarefa que estava destinada àqueles dois miúdos, tida como primordial pelos seus pais, mas que eu não conseguia entender, por ser oriundo duma região onde tal prática não era usual. Tratava-se de apanhar a bosta das vacas para ser utilizada sobre o mato das cortes - entenda-se estábulo - com o fito de, pelo milagre da acção bioquímica, gerar um fertilizante natural para as terras. Muito mais saudável, diziam-me, do que os adubos químicos.

O pior, o degradante da questão, é que o apanhar que referi se tem que entender como "utilizar as mãos para o acto". Aqueles dois miúdos tinham que utilizar as suas mãos para não "ferir" a terra e recolher apenas a bosta dos animais para uma giga, transportando-a depois para o devido local.
Aquilo, sim, era vida difícil de "miúdos"!!

Certamente fizeram-se homens e transportaram a tradição para os seus filhos.
Era assim a vida da maioria dos miúdos do meu tempo. Felizmente que o tempo traz novos tempos, renovando conceitos, tradições e necessidades.

Felizmente!

arnaldo silva
felizmente reformado


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. FICA SUSPENSO ATÉ NOVA OR...

. A HORTA BIOLÓGICA

. AS GEADAS

. A CARVOARIA DO PASSOS

. UTENSÍLIOS AGRÍCOLAS

. O TREINO DO SENHOR CARVAL...

. FARO DENTRO DAS MURALHAS

. UM BOM FIM DE SEMANA

. IGREJA DE S. PEDRO

. A RUA DOS BRACIAIS

. AO POETA MANUEL JOSÉ E F...

. A HORTA DOS BRITOS

. O MEU PRIMO SEBASTIÃO BRI...

. AS MOÇAS E OS MOÇOS DO M...

. POESIA DO DR. UVA

. ALÓ SANTA BÁRBAAR DE NEXE...

. FOMOS JOGAR À FALFOSA.

. ESTAMOS A VOLTAR.

. TUDO CHEGA AO FIM.... ATÉ...

. DA IMPRENSA

. VIVA A SOLEDADE URBANO.

. HOUVE FESTA NO SÍTIO DA A...

. AS HORTAS E A GRICULTURA...

. A FRASE DE HOJE

. PORQUE HOJE É DOMINGO

. BOM FIM DE SEMANA PARA TO...

. VELHO DO RESTELO

. CHEGUEI...

. EU NÃO POSSO ACREDITAR...

. A VIDA DIFÍCIL DOS MIÚDOS...

.arquivos

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.favoritos

. SANTA BÁRBARA DE NEXE

blogs SAPO

.subscrever feeds