Terça-feira, 15 de Maio de 2007

À GUERRA... DISSE NÃO

 
 
Numa visita ao ACGORJEIOS, vi-me deparado com uma crónica de guerra. É um texto com algumas passagens que discordo e que vou assinalar:  
Assim:
“ Hoje o Alferes pode orgulhar-se de ter sido o primeiro a passar as portas da guerra, com feridos...”.

O orgulho perante uma situação de guerra não é muito normal, porquanto a atitude guerreira não colhe no sentido humano da vida A guerra é e será sempre um disparate e não pode gerar qualquer motivo de orgulho.
Os truques e as trapalhadas de antecipação, que na vida militar se alcunha de táctica “surpresa”, marchar primeiro e chegar ao terreno de operações antes que o inimigo soubesse da sua aparição no local da contenda, são possibilidades de lutas desiguais e carece de sentido de justiça e são desumanidades, como se expressa na frase seguinte:- “sobretudo estar sempre pronto a carregar sobre o inimigo”. Ou ainda em “obter os louros da conquista....” ou “que os regressados ilesos se sentem heróis vivos resgatados da companhia dos heróis feridos e mortos em combate, pela conduta, coragem e moral impostos, desde a primeira hora pelo comando do Esquadrão...”
Os louros da conquista não trazem consigo a honradez necessária que justifique uma atitude. Heróis vivos nunca poderão ser um produto da guerra, porque na guerra só temos feridos e mortos em combate e mais nada
Será interessante reter algumas notas que Raul Brandão deixou nas suas memórias sobre a tropa. Ei- las: - «Na Escola do Exército ensinavam, no meu tempo, coisas inúteis que me deram mais trabalho a esquecer que a aprender. Durante o tempo que fui tropa vivi sempre enrascado, como se diz em calão militar. Tudo me metia medo, os homens aos berros que ecoavam no quartel (era o Cibrão na secretaria); castigo para um lado, castigo para o outro; e as coisas negras, feias, agressivas, a parada, a caserna, as retretes. Levo para a cova a imagem daquelas retretes como uma das coisas mais infames que conheci na vida. O Inferno deve ser uma retrete de soldado em ponto maior...»
A guerra não é um produto da minha paixão. Sou contra. Sou mais pela solidariedade.
 
João Brito Sousa
 
 
 
 
 
publicado por SOUSINHA às 16:37
link do post | favorito
De avlisi@sapo.pt a 15 de Maio de 2007 às 23:59
Amigo Brito,

Não vale "confundir a gota com a perdigota".
Uma coisa, é a declaração de guerra e o forçar que homens involuntariamente a façam; outra coisa é o comportamento dos homens que forçadamente foram impelidos a faze-la.
A guerra , a sua declaração, o obrigar homens a partir para a morte, são atitudes do ser humano sempre condenáveis. Indiscutivelmente condenáveis! Abomináveis! Nunca haverá justificação possível, crível, que suporte aquelas decisões. Jamais!

O pior da questão é que os homens que são forçados a faze-la - a guerra, que não é sua ! - raramente têm a possibilidade de rebilião, de se negar a partir para o campo de batalha, de enfrentar o risco de uma morte ou de uma estropiação física. Dar o salto, auto exilando-se, como muitos fizeram por cá nos idos de sessenta, também não está ao alcance de todos.

Assim sendo, o soldado vê-se envolvido num confronto onde é forçado a matar o seu semelhante para não ser morto por ele. Não tem escolha possível, atendendo que a deserção não é a solução do problema. A guerra, no campo onde é travada, pelos homens que se encontram face a face, no dilema de ser morto ou matar, passa então a ser encarada, pelos directos contendores, como um mero jogo onde a astúcia, a sagacidade e até os truques mais baixos desempenham o papel principal. É aqui e assim que um comandante se sente orgulhoso, sem mancha na sua consciência, quando, por fruto das suas capacidades de comando, onde aqueles atributos foram postos à prova, causou mais baixas ao adversário do que as sofridas pelos seus homens.

E o alferes tem assim carradas de razão para se sentir um heroi vivo, embora se sinta interiormente muito revoltado por o ser. Por fazer a guerra, acto que ele próprio condena, ele vive a amargura de ter que arrastar os seus homens para ela; por os ter conseguido trazer de volta, sãos e salvos, após cada refrega, o seu ego sente a recompensa do dever cumprido.

Condena o autor da guerra mas aceita como heroi o directo interveniente nela que não se deixou matar. Para ele os louros da victória, por muito murchos que os louros estejam. Ainda e mesmo que nem sempre tenha jogado muito limpo. É a guerra! A guerra que ele não quiz mas que não teve forma de a evitar!

Não faço a apologia da guerra! Mas aceito o heroi que ela fabrica.

A tropa, o serviço militar é algo bem distinto da guerra. Obviamente.
Raúl Brandão que me desculpe mas ele desvirtuou os efeitos da sua passagem pelo serviço militar. Ele retratou apenas uma face dos efeitos imediatos sobre o homem-soldado. Verdade, tudo o que ele disse da Escola do Exército. Terá tido, eventualmente, muita dificuldade em esquecer as coisas inúteis que lá aprendeu. Todavia...
Ele esqueceu de referir a outra face do serviço militar: a escola da realidade da vida humana.
Em termos muito sucintos:
- o contacto, forçado, com elementos de todos os estratos sociais. Na vida civil há sempre a possibilidade de escolha de com quem se quer conviver;
- o aprender a dominar o ímpeto de revolta face a ordens incompreendidas e ditadas sempre na ausência de civismo;
- o ter que saber ignorar a força da personalidade própria para, cegamente, obdecer a uma voz de comando;
- o conseguir pôr em prática todas as suas capacidades de "desenrascanso" - a maioria delas até então desconhecidas - sob a pressão do medo de ser descoberto e punido;
- o desenvolver e fortalecer da auto-confiança por haver conseguido ultrapassar obstáculos impensados;
- o viver num estado de permanente irreverência para com a vida e para com os seus semelhantes, estado quase alienante que lhe confere o uso duma farda.

Considerando que o serviço militar ocorre enquanto mancebo, naquela idade pós-adolescente mas no limiar da fase adulta, ele é, sem sombra de dúvida, a completa formação do homem para vir a ser Homem.
Por muito mal que cheire a retrete - latrina em termos militares - do soldado!

arnaldo silva
felizmente reformado




De SOUSINHA a 16 de Maio de 2007 às 11:00
VIVA.

Bom dia.
Gostei do texto do ADOLFO e do teu, mas no ADOLFO, incomodou-me o orgulho do Alferes... e os louros da conquista, heróis feridos e heróis vivos....
A guerra não é o meu palco favorito... entendes?...

Um abraço do
BS
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. FICA SUSPENSO ATÉ NOVA OR...

. A HORTA BIOLÓGICA

. AS GEADAS

. A CARVOARIA DO PASSOS

. UTENSÍLIOS AGRÍCOLAS

. O TREINO DO SENHOR CARVAL...

. FARO DENTRO DAS MURALHAS

. UM BOM FIM DE SEMANA

. IGREJA DE S. PEDRO

. A RUA DOS BRACIAIS

. AO POETA MANUEL JOSÉ E F...

. A HORTA DOS BRITOS

. O MEU PRIMO SEBASTIÃO BRI...

. AS MOÇAS E OS MOÇOS DO M...

. POESIA DO DR. UVA

. ALÓ SANTA BÁRBAAR DE NEXE...

. FOMOS JOGAR À FALFOSA.

. ESTAMOS A VOLTAR.

. TUDO CHEGA AO FIM.... ATÉ...

. DA IMPRENSA

. VIVA A SOLEDADE URBANO.

. HOUVE FESTA NO SÍTIO DA A...

. AS HORTAS E A GRICULTURA...

. A FRASE DE HOJE

. PORQUE HOJE É DOMINGO

. BOM FIM DE SEMANA PARA TO...

. VELHO DO RESTELO

. CHEGUEI...

. EU NÃO POSSO ACREDITAR...

. A VIDA DIFÍCIL DOS MIÚDOS...

.arquivos

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.favoritos

. SANTA BÁRBARA DE NEXE

blogs SAPO

.subscrever feeds